Cursos de Gastronomia – Cultura da Alimentação

Gastronomia melhor pos graduacao
Embora o vasto escopo da faculdade de gastronomia possa confundir o
estudante universitário iniciante, a história da alimentação fornece algo íntimo,
tangível e até familiar em torno do qual estruturar narrativas maiores. A comida
é familiar e, simultaneamente, exótica. No nível mais básico, cada aluno tem
alguma experiência com os assuntos básicos das aulas de história da
alimentação, seja com comida de imigrantes ou fast food. As mercadorias
discutidas em aula, como café, chocolate ou chá, podem até ser lanches em sala
de aula.
A vantagem óbvia – e desafio – para o professor de história alimentar é construir
conhecimento sobre o familiar. Os alunos podem ser colocados em cadeias de
mercadorias que se estendem amplamente no tempo e no espaço. Mas, isso cria
binários incômodos entre o presente cognoscível (muitas vezes definido pelo
consumo fácil) e o outro exótico (definido muitas vezes pelo não-ocidente e pela
produção e trabalho)? Como resistimos a representações de estudantes
principalmente como consumidores de bens feitos pelo trabalhador distante e
sem sorte? Da mesma forma, o historiador de alimentos deve lidar com o
conhecimento existente. Como os artigos desta edição especial demonstram
apropriadamente, a comida está cada vez mais no centro da cultura popular e
da política popular. Nas cerca de doze semanas que temos com os alunos, como
fornecemos leituras, palestras e discussões que ajudam os alunos a se
envolverem com mais força com tudo, desde a televisão alimentar até as visitas
ao supermercado? Ao mesmo tempo, muitos de nossos alunos afirmam ter
propriedade real sobre os alimentos discutidos e às vezes provados em sala de
aula.

Leave a Reply

Your email address will not be published.